Rede “anónima” para criminosos era afinal gerida pelo FBI

11-06-2021

Uma mega operação envolvendo autoridades europeias e norte-americanas levou à detenção de 800 suspeitos, que usavam uma rede “segura” de comunicações (Anom) para criminosos, mas que afinal estava a ser controlada pelo FBI.

Se muitos cidadãos comuns prezam a privacidade nas suas comunicações, bem se pode imaginar ao que estarão dispostos os criminosos. Há muito que têm surgido empresas dedicadas a fornecer serviços de comunicação encriptados que prometem total segurança e anonimato nas comunicações, que quase explicitamente estão vocacionados para actividades ilegais, e foi precisamente essa a porte de entrada para esta operação.

O serviço Anom prometia total segurança com dados encriptados, e ao longo de três anos foi conquistando clientela, acumulando 12 mil clientes (9 mil deles activos) desde 2018. O que eles não sabiam é que esse serviço estava a ser gerido pelo FBI, com todas as suas mensagens a serem monitorizadas, e tendo permitido efectuar rusgas como a da Operation Greenlight / Trojan Shield, que apanhou 8 toneladas de cocaína, 22 toneladas de cannabis, 250 armas, e 48 milhões de dólares em dinheiro e criptomoedas.


A operação aproveitou-se do encerramento da rede Phantom Secure, que fornecia o mesmo tipo de serviço aos criminosos, para se infiltrar na criação de um novo serviço que o iria substituir, e que assim lhes deu uma linha directa para as operações destes grupos criminosos, que incluíam a máfia italiana, grupos de motoqueiros, e organizações de tráfico de droga.
(Ptnik)

Desenvolvido por: Suporte Informatica