Finanças tiveram acesso a dados indevidos dos cidadãos

30-04-2013

Uma investigação da CNPD concluiu que as finanças estavam a ter acesso a mais dados que os legalmente previstos através do serviço de comunicação eletrónica de faturas.
A investigação da Comissão Nacional de Protecção de Dados (CNPD) avançou depois do organismo ter recebido várias queixas sobre o assunto, dando conta de que a informação veiculada às finanças através dos ficheiros SAF-T incluía dados pessoais dos contribuintes.

Na informação veiculada pelos comerciantes aos serviços tributários estariam dados sobre produtos adquiridos e serviços prestados aos consumidores. Estariam ainda a ser comunicados dados fiscais dos cidadãos, mesmo quando estes não solicitavam a colocação do seu número de contribuinte, ou em compras associadas a sectores não visados pela legislação.

A transmissão destes dados, que a investigação da CNPD acabou por confirmar, excede o âmbito da informação necessária para fins fiscais, pelo que o organismo solicitou medidas à AT, já levadas a cabo.

Como explica uma nota divulgada no site da CNPD, numa deliberação de 23 de abril, entendeu-se que a AT deveria proceder de imediato “à destruição dos dados pessoais indevidamente tratados”.

Na mesma deliberação, recomendava-se à AT que suspendesse o envio de informação até que fosse possível disponibilizar uma aplicação gratuita que permitisse às empresas extraírem dos respetivos sistemas de gestão apenas a informação relevante para efeitos fiscais.

De acordo com a mesma informação, a AT terá já cumprido as exigências da CNPD, “tendo destruído os dados pessoais em causa e disponibilizado, desde o dia 12 de abril, no Portal das Finanças, a aplicação informática necessária para a extração da informação prevista na lei”, garante ainda a CNPD na nota publicada no seu site.

A comunicação eletrónica de faturas está em vigor desde o início do ano. A medida é obrigatória para um conjunto de sectores identificados pelo Estado, onde se incluem restauração, oficinas ou cabeleireiros.

Além das falhas identificadas e já corrigidas na comunicação das faturas emitidas no âmbito destes negócios, está ainda por resolver uma questão idêntica nos recibos verdes eletrónicos.

A investigação da CNPD concluiu que falta também no sistema de comunicação destes recibos uma opção que assegure o anonimato do consumidor, quando este é pessoa singular. Neste momento a inclusão do número de contribuinte da pessoa ou entidade que recebeu o serviço é obrigatória.
(Teksapo)

Desenvolvido por: Suporte Informatica

voltaren gel blood sugar luvox period effetti collaterali di finasteride controindicazioni del femara metoclopramide ileus clomid provoca corrimento prometrium 200 come si usa metoprolol tratament voltaren tissugel hot plavix e impotenza compare metformin to gliclazide glucophage chromium picolinate cosa mangiare a cipro nord antibiotico augmentin sospensione cialis lo vendono in farmacia voltaren retard prezzo panière allegra tupperware kamagra nelle farmacie italiane clindamycin molluscum contagiosum viagra pepsi cola propecia cinsel risperdal fa male lasix in gravidanza voltaren emulgel tendonitis voltaren pastiglie senza ricetta diflucan tempo azione orlistat venta peru voltaren dispers 600 cialis 10 mg effetti voltaren generico prezzo metoprolol succinate 100 mg ter alternative naturali al clomid