A escola está de volta, mas os alunos estarão preparados para os ciberataques?

19-09-2022

A escola está de volta, mas os alunos estarão preparados para os ciberataques?
Check Point Software oferece cinco dicas para se manter a salvo dos criminosos informáticos neste novo ano letivo

A Check Point® Software Technologies Ltd. (NASDAQ: CHKP), fornecedor líder de soluções de cibersegurança a nível global, relembra aos estudantes que o regresso à época escolar é sempre um foco principal para os cibercriminosos. Quer estudem sozinhos, quer participem em aulas online ou presenciais, os estudantes passam muito tempo ligados à Internet e por isso estão altamente expostos a ameaças cibernéticas, tais como fraude bancária, roubo de credenciais, roubo de identidade ou aquisição de conta nos meios de comunicação social.

De acordo com a Check Point Research, o sector da Educação/Pesquisa registou o maior volume mensal de ataques tanto em 2022 como em 2021 a nível mundial. Em Julho deste ano, sofreu quase 2.000 ataques por organização por semana - mais do dobro dos ciberataques semanais em comparação com a média dos outros sectores, e mais 6% em comparação com Julho de 2021 e 114% em comparação com o mesmo período de dois anos atrás.  

É um dado adquirido que a pandemia levou em todo o mundo a muitas mudanças online na educação, mas estas mudanças significaram também que o acesso aos sistemas da escola é agora muito mais fácil, permitindo aos hackers infiltrarem-se nas redes da escola. Francamente, basta um professor, aluno ou pai clicar num e-mail de phishing criado por um hacker para que uma escola seja ciber-atacada, levando a um ataque de resgate. Tais ataques podem levar ao encerramento de escolas durante dias ou semanas para recuperar, levando à perda de dias de aprendizagem e a custos acrescidos para as escolas que não se podem dar ao luxo de perder financiamento para tais criminosos

.”Infelizmente, muitos estudantes não estão conscientes de que poderiam ser alvo de cibercriminosos, quanto mais de como se protegerem”, afirma Rui Duro, Country Manager na Check Point Software. “Como é o caso da maioria dos ciberataques, o erro humano desempenha um papel significativo e os estudantes precisam de estar atentos aos e-mails e websites que parecem estranhos. É também importante certificar-se de que, onde quer que esteja a estudar, tem uma ligação segura e um software de segurança apropriado não só no seu portátil, mas também no seu telefone e tablet, e nunca ignore as atualizações de software”.

Confira as cinco dicas da Check Point Software para que os estudantes se mantenham seguros online:

  1. Pense antes de clicar num link: Os ataques de phishing, em que o
    s criminosos se fazem passar por empresas bem conhecidas para tentarem roubar os seus dados pessoais, são cada vez mais comuns, especialmente agora que os dispositivos armazenam uma grande quantidade de informação do utilizador. Por esta razão, deve ser tomado especial cuidado com os URLs enviados via SMS, aplicações de mensagens como o Whatsapp, ou e-mail, pois podem estar repletos de perigos.  Para evitar tornar-se uma vítima, dirigir-se sempre ao website oficial do remetente em vez de clicar no link da mensagem.
  2. Utilizar uma password diferente para tudo: É verdade que ter de pensar numa password diferente para as plataformas que se utilizam todos os dias é uma dor. É difícil recordá-las, e seria muito mais fácil usar a mesma palavra-passe para tudo. Mas não há maior alegria para um cibercriminoso do que encontrar um tal utilizador. Qualquer estudante que confie numa abordagem de “uma palavra-passe única para todos” poderá ver todas as suas contas invadidas em tempo recorde. Assim que um atacante conseguir decifrar a combinação da plataforma de uma vítima, tentará aceder a todas as suas contas com a mesma chave. Para evitar este risco, é essencial criar uma senha única para cada aplicação ou serviço de pelo menos oito caracteres que combine letras (tanto maiúsculas como minúsculas), números e símbolos. Pode ser utilizado um gestor seguro de palavra-passe, como Dashlane ou LastPass.
  3. Evite descarregar anexos de estranhos: Um anexo de e-mail de um remetente desconhecido pode ser um portal para todos os tipos de ataques cibernéticos, tais como malware ou ataques de phishing, capazes de infetar todo o dispositivo e roubar toda a informação e dados armazenados no mesmo. Se, além disso, o dispositivo for utilizado para teletrabalho ou estiver ligado a uma rede maior, poderá causar danos mais graves e mais extensos.
  4. Nunca aceder a redes Wi-Fi públicas desprotegidas: É importante ter em mente que qualquer pessoa, mesmo um cibercriminoso, pode ligar-se a Wi-Fi pública desprotegida. O principal problema aqui é que, estando na mesma rede, os criminosos podem obter acesso a tudo o que está armazenado no seu dispositivo.  Haverá sempre um risco ao ligar-se a uma rede Wi-Fi pública, por isso é melhor pensar duas vezes antes de o fazer.
  5. Não navegue em websites não encriptados: é vital certificar-se de que o website a que está a aceder tem um certificado SSL. Esta tecnologia assegura que a ligação à Internet é encriptada e protege qualquer informação sensível enviada entre dois sistemas, impedindo que os cibercriminosos vejam e modifiquem quaisquer dados a serem transferidos, incluindo dados que possam ser considerados pessoais. É fácil de detetar, olhando para o início da linha de endereço ou URL, que deve mostrar um “s” após as letras http. Portanto, basta clicar quando souber que o site é genuíno e ver: https://
  6. .
    (ITO)

Desenvolvido por: Suporte Informatica