Ameaça de invasão da China à Taiwan derruba açoes da TSMC

3-08-2022

A esperada visita da presidente da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, à Taiwan deixou o clima geopolítico entre China e Taiwan complicado. A China ameaçou invadir Taiwan, por não reconhecer a autonomia do território. Como resultado, as ações da TSMC, maior fabricante de semicondutores do mundo, fecharam em queda de 2,4%.

Para o governo da China, a visita de Pelosi - segunda na linha de sucessão à presidência dos EUA, é um sinal que encoraja os movimentos pró-independência em Taiwan. A pequena ilha asiática declarou sua independência em 1949, mas a China nunca reconheceu Taiwan como país, declarando-a como província rebelde.

Já o índice acionário de referência em Taiwan também recuou 1,6% como consequência das tensões políticas. Por outro lado, as ações na China registraram a maior queda em mais de dois meses, revelando que a situação coloca todo o mercado asiático em uma situação complicada.

A chefe de estratégia da TS Lombard em Londres, Andrea Cicione, afirmou que as quedas só terão impacto a longo prazo caso a situação política se agrave. “Esta reação do mercado é esperada após o forte desempenho dos mercados de ações em julho. É improvável que o impacto a longo prazo seja significativo, a menos que a situação aumente, o que não seria minha expectativa no momento”.

Desenvolvido por: Suporte Informatica