Mais do que fotografar um momento: memórias em papel instantâneas e animadas

4-08-2022

KineCAM, uma câmara instantânea para fotografias de papel animado. Um projeto de alunos do Departamento de Engenharia Eletrónica e Informática do MIT.

Tudo começou no Outono do ano passado no curso de Engenharia de Tecnologias Interativas do MIT, lecionado por Stefanie Mueller.

Os estudantes foram convidados a fazer um projeto final de grupo, assistidos por estudantes licenciados que estavam a ajudar Mueller a lecionar o curso.


O resultado do projeto será apresentado em Agosto em Vancouver, Canadá, no SIGGRAPH 2022, “a maior e mais influente conferência anual do mundo em computação gráfica e técnicas interativas”.

De acordo com a MIT News, Ticha Sethapakdi, estudante de doutoramento do terceiro ano do Laboratório de Informática e Inteligência Artificial do MIT, pensou arduamente numa tarefa que poderia ser realizada em poucos meses e que também permitisse aos estudantes usar as competências que tinham adquirido nas aulas.

Decidiu assim desenvolver uma câmara instantânea, mas que em vez de seguir o exemplo da Polaroid, pudesse reproduzir imagens em movimento.

Para se manter dentro dos modestos orçamentos que lhes foram atribuídos, Sethapakdi percebeu que teria de adotar uma abordagem fácil e de baixa tecnologia que não exigisse equipamento dispendioso e sofisticado.

Sethapakdi testou uma técnica chamada kinegrams — inventada no final do século XIX, pouco antes da introdução dos primeiros filmes de animação – e decidiu que este poderia ser um bom caminho a seguir.

E assim nasceu a KineCAM, uma câmara instantânea para fotografias de papel animado. Em suma, um cinegrama.

Primeiro, começa-se com várias imagens ou molduras — três — do mesmo objeto, tal como uma borboleta, em poses diferentes. Corta-se então cada imagem em tiras horizontais, talvez 10 no total, de uma largura uniforme.

Em seguida, pega-se nestas três imagens e combinam-se numa página para criar uma única “imagem entrelaçada” composta por 30 tiras horizontais no total — começando com as tiras superiores das imagens um, dois, e três e continuando a alternar dessa forma até que as últimas três tiras sejam dispostas sequencialmente.

Em seguida, toma-se uma “sobreposição de tiras“, uma folha separada que tem tiras transparentes – mais uma vez, 10 no total – da mesma largura que as tiras das imagens entrelaçadas. Cada tira transparente, por sua vez, é intercalada com 10 tiras opacas que são duas vezes mais largas do que as transparentes.

Depois de alinhadas as duas folhas, as tiras são sobrepostas na imagem entrelaçada, e rapidamente movidas para baixo — vendo-se a borboleta mover-se entre as suas diferentes poses. É uma forma de animação bastante crua, embora um pouco mais complexa do que os desenhos animados do “flip book” que os alunos podem fazer.

O desafio, contudo, era encontrar uma forma de produzir cinegramas rápida e facilmente, com um dispositivo leve e portátil — o desafio que a KineCAM superou.

Todos os seus componentes, expecto as baterias, cabem numa caixa de dimensões 9cm x 14cm x 4cm.

As peças incluem um pequeno computador Raspberry Pi, uma câmara de vídeo acoplada (comparável às encontradas nos telemóveis), uma impressora térmica (que é semelhante à utilizada para imprimir recibos), um botão do obturador da câmara, e uma luz indicadora LED — e todos estes componentes podem ser adquiridos facilmente, por menos de 100 dólares no total.

“Temos de ser nós a programar o sistema”, observa Sethapakdi. “O software pega em alguns quadros de vídeos, corta as imagens e envia a versão cortada para a impressora”. O tempo de entrega é notavelmente curto, demorando apenas cerca de 16 segundos de fotografar as imagens para imprimir.

Tudo é feito com o próprio KineCAM, exceto a criação das sobreposições listadas, que são impressas com antecedência em película transparente utilizando uma impressora convencional de jato de tinta.

Uma vantagem da abordagem, diz Sethapakdi, “é que se pode sair para o mundo e, no local, fazer estas fotografias animadas”. É claro que se pode tirar fotografias com um telemóvel, acrescenta.

“Mas há algo muito apelativo e íntimo em ter um registo físico real — uma cópia única de alguma experiência”. E uma fotografia em movimento pode ser capaz de captar aspetos dessa experiência que uma fotografia estática não pode captar.

A equipa do MIT acredita que o KineCAM tem aplicações em computação gráfica e “rotoscopia”, uma técnica tradicional de animação. Sethapakdi considera provável que os artistas e investigadores venham a ter algumas ideias próprias interessantes.

“Estamos a desenvolver este projeto de forma aberta para que outros possam modificar a câmara e adaptar o código e concebê-la para fazer tudo o que quiserem. Estamos felizes por deixar que outros explorem as possibilidades”.

A perspetiva de Sethapakdi será comunicar com o público alvo no SIGGRAPH 2022. Alguém presente nessa conferência pode ter planos para a KineCAM, que ainda não tenham ocorrido aos seus pioneiros.
(ZAP)

Desenvolvido por: Suporte Informatica