Ratinhos quebram leis da genética ao herdar efeitos de gene mutante

26-05-2006

Ratinhos de laboratório desafiaram as leis da genética ao herdar os efeitos de um gene mutante sem herdarem o próprio gene, indica um estudo hoje publicado pela revista Science.
A descoberta do fenómeno, atribuído à acção do ácido ribonucleico (RNA), poderá um dia ajudar os cientistas a compreender aspectos da diabetes, da infertilidade e outros problemas.

A investigação centrou-se num gene chamado “kit”, que se apresenta em duas variedades: “normal” e “mutante”.

Os ratinhos herdam dois genes, um de cada progenitor, sendo a versão mutante a que faz com que apareça uma mancha branca na extremidade da cauda.

Segundo as leis genéticas enunciadas no século XIX por Gregor Mendel, a combinação de genes normais e mutantes herdados pelos ratinhos deveria determinar se a cauda dos animais têm ou não a mancha branca na cauda.

Os autores da experiência, cientistas do Instituto Francês de Investigações Médicas (Inserm) e da Universidade de Nice-Sophia Antipolis, utilizaram ratinhos com uma versão normal do gene kit e outra mutante.

Ao criarem os ratinhos juntos, observaram nos descendentes toda uma série de combinações: dois genes mutantes (estes morreram pouco depois de nascer), um gene mutante e outro normal (que em teoria deveriam ter a cauda com a ponta branca como os pais) e dois genes normais (que supostamente nasceriam sem a mancha branca na cauda).

Para sua surpresa, os cientistas constataram que os ratinhos nascidos com duas versões normais do kit tinham também a ponta da cauda branca.

Depois de estudar o fenómeno, a equipa, dirigida pela professora Minoo Rassoulzadegan, da Universidade de Nice, avançou a hipótese de que poderia dever-se à transferência de moléculas de RNA.

O ácido ribonucleico desempenha um importante papel na síntese de proteínas e outras actividades químicas do metabolismo, e os cientistas descobriram que o gene mutante produz grandes quantidades de moléculas mensageiras de RNA.

Estas moléculas acumulam-se no esperma dos ratinhos e os cientistas crêem que passam do esperma ao óvulo, onde “silenciam” a actividade do gene kit, incluindo dos ratinhos que não herdam uma cópia do gene mutante, o que gera a mancha branca na cauda.

A equipa da professora Rassoulzadegan estudou o que ocorreria ao injectar-se um preparado de RNA do esperma de um ratinho mutante num óvulo fecundado.

“Quando examinámos os ratinhos nascidos depois dessa injecção, compreendemos com clareza que o RNA poderia ser responsável pela herança do fenótipo da cauda branca”, explicou.

O fenómeno pelo qual aparecem em gerações posteriores as características de um gene, mesmo quando nelas não esteja presente a versão concreta do gene, chama-se “paramutação”.

O fenómeno já foi identificado há 50 anos no milho e mais tarde noutras plantas, e mesmo em animais, mas esta é a primeira vez que um estudo o explica e documenta.

( Lusa )

Desenvolvido por: Suporte Informatica

diflucan tempo azione compare metformin to gliclazide glucophage chromium picolinate hot luvox period effetti collaterali di finasteride voltaren dispers 600 viagra pepsi cola voltaren retard prezzo risperdal fa male voltaren emulgel tendonitis panière allegra tupperware clomid provoca corrimento metoprolol succinate 100 mg ter kamagra nelle farmacie italiane controindicazioni del femara lasix in gravidanza antibiotico augmentin sospensione cialis lo vendono in farmacia cosa mangiare a cipro nord voltaren gel blood sugar cialis 10 mg effetti metoclopramide ileus metoprolol tratament voltaren tissugel orlistat venta peru voltaren generico prezzo prometrium 200 come si usa alternative naturali al clomid propecia cinsel voltaren pastiglie senza ricetta metoprolol toprol xl conversion plavix e impotenza clindamycin molluscum contagiosum