A Iberia, em colaboração com a Repsol, opera os seus primeiros voos de longo curso com biocombustível produzido a partir de resíduos

17-06-2022

O primeiro destes é o voo inaugural entre Madrid e Washington, que utiliza combustível produzido a partir de resíduos da refinaria Petronor, em Bilbao. O voo foi operado por um Airbus A330-200, com capacidade para 288 passageiros, um dos aviões mais eficientes da companhia aérea.
A Iberia utilizará o mesmo biocombustível, produzido a partir de resíduos, em dois outros voos: o voo inaugural para Dallas e o primeiro voo pós-pandémico para São Francisco.
Estes primeiros voos de longo curso, com uma baixa pegada de carbono, representam mais um passo na transição ecológica da indústria da aviação, através da utilização de biocombustíveis e da melhoria da eficiência energética. A utilização de biocombustíveis nestes três voos irá reduzir as emissões em 125 toneladas de CO2.

Esta iniciativa resulta do acordo de colaboração entre as duas empresas para uma mobilidade mais sustentável, assinado no passado mês de julho. Neste último ano, as duas companhias colaboraram no projeto AVIATOR, que visa analisar o impacte das emissões da aviação na qualidade do ar nos aeroportos; operaram o primeiro voo Madrid - Bilbao com combustível sustentável proveniente de resíduos; e a Iberia juntou-se ao consórcio SHYNE (Rede Espanhola de Hidrogénio), liderado pela Repsol, para acelerar o desenvolvimento do hidrogénio renovável.
Durante os próximos dois anos, a Repsol e a Iberia irão também colaborar na operação de voos com uma percentagem de biocombustível que pode atingir os 50%, produzido no Complexo Industrial da Repsol em Cartagena, bem como com o SAF sintético (Sustainable Aviation Fuel) produzido na refinaria Petronor. Além disso, irão colaborar num projeto de utilização de HVO (hydrotreated vegetal oil) em veículos para serviços aeroportuários

A Iberia, em colaboração com a Repsol, opera os seus primeiros voos de longo curso com biocombustível produzido a partir de resíduos
A Repsol e a Iberia deram mais um passo em frente na sua aliança para reduzir as emissões no sector aeronáutico com a exploração dos primeiros voos de longo curso utilizando biocombustíveis produzidos em Espanha a partir de resíduos da indústria agroalimentar, não adequados para o consumo humano. Especificamente, o biojet utilizado pertence a um lote produzido em 2021 na refinaria Petronor do Grupo Repsol, localizada em Bilbao, no norte de Espanha.
O primeiro voo a incorporar o biocombustível inaugurou a rota Madrid-Washington com um Airbus A330-200 com uma capacidade de 288 passageiros e é atualmente um dos aviões mais eficientes da companhia aérea. Esta versão do A330-200 MTOW 242 TN tem uma capacidade máxima de descolagem de 242 toneladas, consome 15% menos combustível do que a frota que agora substitui sendo, como consequência, mais amiga do ambiente.
O segundo será o voo IB6193 de Madrid para São Francisco, uma rota que a Iberia retomou hoje após a pandemia, e o terceiro será o voo inaugural da Iberia de Madrid para Dallas, que descolou às 15:55. Ambos são também operados pela frota Airbus A330-200.
Com estes três voos, a Iberia e a Repsol reduziram hoje 125 toneladas de emissões de CO2 para a atmosfera, graças à melhor eficiência do combustível fornecido pela frota utilizada e à utilização do biocombustível sustentável.
Segundo Josu Jon Imaz, CEO da Repsol: “Enquanto setor, a indústria aeronáutica necessita de soluções como os biocombustíveis para um processo de descarbonização como o que temos atualmente em curso. O compromisso da Repsol e da Iberia colocam-nos na linha da frente neste aspeto. O nosso compromisso também consolida a nossa posição como empresa multienergética para atingir zero emissões líquidas até 2050, tornando-nos a primeira empresa do sector a adotar este ambicioso objetivo”.
Por seu lado, Javier Sánchez-Prieto, Presidente e CEO da Iberia, refere que “a aviação enfrenta um desafio muito grande que só pode ser enfrentado tomando medidas como as de hoje, promovendo a produção de combustíveis de origem sustentável em quantidade suficiente e a preços competitivos, o que nos permitirá avançar na transição ecológica da indústria da aviação”.
Esta iniciativa faz parte do acordo de colaboração para uma mobilidade mais sustentável, assinado pela Repsol e pela Iberia em julho passado, em conformidade com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) promovidos pelas Nações Unidas através da Agenda 2030.
Desde então, ambas as empresas colaboraram no projeto AVIATOR, para analisar o impacto das emissões da aviação na qualidade do ar nos aeroportos; em novembro, operaram o primeiro voo Madrid - Bilbau com combustível sustentável produzido a partir de resíduos; e em janeiro deste ano, a Iberia juntou-se ao consórcio SHYNE (Rede Espanhola de Hidrogénio), liderado pela Repsol, para acelerar o desenvolvimento do hidrogénio renovável em Espanha.
O acordo estratégico entre a Repsol e a Iberia inclui um roteiro para a promoção de combustíveis de aviação sustentáveis (SAF) nos próximos anos. Nos voos operados hoje, a Iberia e a Repsol estão à frente da obrigação de incorporar 2% de SAF que a União Europeia está a estabelecer para 2025, através do pacote Fit For 55. Os voos de hoje para Washington, Dallas, e São Francisco já incorporam 2%.
No futuro, a Iberia e a Repsol irão operar novos voos com uma percentagem crescente de misturas de biocombustíveis que podem atingir os 50%. Este produto será produzido na primeira fábrica de biocombustíveis avançados de Espanha, cuja entrada em funcionamento está prevista para 2023 em Cartagena. Também em 2024, a Repsol e a Iberia planeiam operar com SAF sintético (e-fuel) produzido no complexo Petronor em Bilbao. Além disso, ambas as empresas estão a trabalhar num projeto de utilização de HVO (hydrotreated vegetable oil) em veículos de serviço do aeroporto.
A Repsol é pioneira no fabrico de SAF em Espanha. Com a produção de combustíveis nos seus complexos industriais, antecipa as diferentes medidas que as instituições europeias estabeleceram para promover a utilização de combustíveis de aviação sustentáveis. Neste sentido, o biocombustível avançado produzido a partir de resíduos está incluído na lista de combustíveis sustentáveis da Diretiva Europeia sobre Energias Renováveis.
O lote de biojet utilizado foi o terceiro fabricado pela Repsol e o primeiro no mercado espanhol produzido a partir de resíduos como matéria-prima. A empresa de multienergia integra assim ferramentas de economia circular no processo, transformando resíduos em produtos de alto valor acrescentado, tais como combustíveis com baixo teor de carbono. Este lote junta dois lotes anteriores produzidos a partir de biomassa nas refinarias da Repsol em Puertollano e Tarragona.
Para avançar na descarbonização da indústria aérea, a Iberia baseia a sua estratégia de sustentabilidade em quatro pilares: a transição renovável da indústria aeronáutica, que inclui todas as iniciativas de renovação da frota, operações mais eficientes, e a utilização de combustíveis de aviação sustentáveis, entre outras iniciativas; uma experiência de viagem mais sustentável para os seus clientes, através da digitalização dos serviços, a eliminação progressiva dos plásticos a bordo, o desenvolvimento do seu sistema de gestão de resíduos, e a compensação da pegada de carbono; o seu apoio à I&D&I; e a formação e sensibilização dos seus colaboradores para a sustentabilidade.

(ITO)

Desenvolvido por: Suporte Informatica