Identificada zona do cérebro indispensável à leitura

26-04-2006

Um grupo de cientistas franceses conseguiu identificar uma zona do cérebro indispensável à leitura e demonstrar a importância do inconsciente na percepção das palavras, disse hoje o principal autor dos dois estudos.

Os testes mostraram o papel chave que uma zona do lóbulo temporal esquerdo do cérebro desempenha na leitura, explicou o psiquiatra francês Raphael Gaillard, autor principal de um estudo realizado por investigadores do Instituto Nacional da Saúde e da Investigação Médica (INSERM), de França.

“Antes sabíamos que esta região se activava durante o processo de leitura, mas não sabíamos que era exclusiva desta função nem necessária” à mesma, disse Gaillard.

Os autores da investigação puderam comprovar esta relação ao examinar um epiléptico grave cujo tratamento implicava a extracção daquela zona do cérebro.

Depois da operação, observaram que o paciente “tinha muitos problemas para ler, mas reconhecia rostos ou objectos sem problemas”, referiu Gaillard, acrescentando tratar-se do primeiro caso deste género em que se provou antes da intervenção cirúrgica que a pessoa lia normalmente.

Este resultado “mostra que aquela região cerebral é indispensável para a leitura”, segundo Gaillard, que publicou o trabalho na revista científica norte-americana Neuron.

“O surpreendente é que um elemento cultural como a leitura, muito recente em termos de evolução e desnecessário para a sobrevivência da espécie, acabou por ter um espaço no cérebro”, sublinhou.

O investigador defende noutro trabalho que a zona cerebral encarregada do reconhecimento das palavras se activa mesmo que estas sejam percebidas de forma inconsciente e que o faz mais facilmente quando os termos remetem para emoções.

Para chegar a esta conclusão, foram projectadas perante 36 pessoas várias palavras “quase no limite da consciência”, explicou Gaillard.

A primeira conclusão é que se activava a referida zona do cérebro “mesmo nos que afirmaram não terem percebido nada”, indicou.

Além disso, metade das palavras com conotações emocionalmente negativas foram mais frequentemente identificadas que a outra metade, que eram neutras, incluindo quando a sua ortografia era muito semelhante, como nos casos de “dor” e “cor”.

Segundo Gaillard, isto revela que a experiência emocional negativa associada a alguns termos “amplifica a percepção destas palavras até torná-la consciente”.

Embora só se tenha provado com termos negativos, “podemos pensar que o resultado será semelhante com palavras com uma conotação emocional positiva”, acrescentou.

O cientista destacou que os resultados do estudo, a publicar na edição desta semana da revista científica norte-americana PNAS (Proceedings of the National Academy of Sciences), coincidem com os da psicanálise, no que se refere à “riqueza dos processos inconscientes”, mas, ao contrário desta, “revelam que os estímulos negativos captam a atenção em vez de serem rejeitados”.

( Lusa )

Desenvolvido por: Suporte Informatica


Elfelejtett jelszó?

Pályaorientációs , pályakorrekciós tanácsadás

Címlap

 

Partnereink
 
Jelenleg 22 vendég olvas minket
Köszöntjük weblapunkon

 

     

 

A felnőttképzéshez
kapcsolódó szolgáltatások
megnevezése

 

 


Köszöntjük weblapunkon

Elhelyezkedési tanácsadás

 

Felnőttoktatás és hozzákapcsolódó szolgáltatások

 

Elfelejtett felhasználónév?

álláskeresési technikák

 

 
Ma 2018. október 20., szombat, Vendel és Irén napja van. Holnap Orsolya napja lesz.

 
Névnap