Um em cada 10 portugueses recebe mensagens eletrónicas fraudulentas

16-01-2020

Cerca de 14% dos portugueses inquiridos num estudo europeu sobre segurança na internet afirmaram ter recebido, nos últimos tempos, mensagens eletrónicas fraudulentas que visavam acesso indevido a dados pessoais, enquanto 11% indicaram ter sido direcionados para sites falsos.

Os dados foram divulgados, esta quinta-feira, pelo gabinete de estatísticas comunitário, o Eurostat, e revelam que 14% dos 6.624 portugueses inquiridos para um estudo sobre o uso das tecnologias de informação, no segundo trimestre do ano passado, foi alvo nos 12 meses anteriores de “fishing”, isto é, receberam e-mails fraudulentos que visavam o acesso indevido a dados pessoais e ou confidenciais.

Por seu lado, 11% dos inquiridos portugueses (que, tal como no resto da Europa, tinham entre 16 e 74 anos) disseram ter sido confrontados nos últimos tempos com “pharming”, ou seja, com mensagens eletrónicas que os direcionava para sites falsos de forma a, também assim, haver um acesso indevido a informação pessoal como palavras-chave e números de conta.

Estes dois tipos de ataques já levaram, inclusive, instituições bancárias em Portugal a emitir alertas para os seus clientes.

Para realizar este estudo, o Eurostat inquiriu estes portugueses entre os dias 29 de abril e 26 de julho do ano passado.

Também nesta altura foram ouvidos outros cidadãos da União Europeia (UE), num total de 202.511 pessoas inquiridas nos 28 Estados-membros e 147.531 famílias.

A todos, o serviço de estatísticas da UE fez perguntas sobre problemas verificados com a segurança no acesso à internet em dispositivos como computadores, tablet, telemóveis e outros.

Em menor escala, os inquiridos portugueses admitiram também que, nos 12 meses anteriores ao estudo, perderam documentos, fotografias ou outros dados dos seus dispositivos devido a vírus (3%), assim como verificaram utilizações fraudulentas dos seus cartões bancários (1%).

Os portugueses afirmaram, ainda, ter sofrido de roubos de identidade na internet, do uso indevido de informações pessoais disponíveis online e de invasão (”hacking”) das suas contas de redes sociais ou outras (todos 1%).

Para tentar evitar este tipo de casos, os inquiridos portugueses disseram ter evitado, nos últimos tempos, fornecer informações pessoais a plataformas online (25%), encomendar bens ou serviços pela internet (20%), aceder às contas bancárias por esta via (17%), descarregar aplicações, música, vídeos ou jogos (17%) ou usar redes abertas de “wifi” (15%) e tentaram ainda não comunicar desta forma com serviços públicos ou administrações (8%).
(JN)

Desenvolvido por: Suporte Informatica