Instagram quer exterminar todos os movimentos contra vacinas

10-05-2019

O Instagram revelou que pretende tomar todas as medidas à sua disposição para exterminar todos os movimentos contra vacinas na sua plataforma. A sua primeira medida já está em ação, e passa pelo bloqueio de hashtags relacionadas com estes movimentos.

Esta não é a primeira vez que o Instagram utiliza esta estratégia para tentar para a partilha de conteúdos que vão contra as regras básicas. No passado, vimos ser também bloqueadas hashtags relacionadas com a venda de drogas e conteúdo que incentiva a ações perigosas dos utilizadores.

Durante os últimos tempos, foram muitos os movimentos contra vacinas que têm causado grande controvérsia. Na sua essência, este tipo de ‘causa’ tem como objetivo espalhar o máximo de informação falsa possível, de forma a fazer com que as pessoas não aceitem ser vacinadas.

Na sua maioria, as alegações feitas por estes movimentos são baseados em factos falsos, sem qualquer suporte científico. Por isso, o Instagram irá seguir as linhas orientadoras da World Health Organization e outras instituições de renome que publicaram vários estudos que negam as afirmações falsas espalhadas na internet.
O próximo passo passará pela eliminação de milhares de contas do Instagram

Ainda que esta seja uma primeira ação positiva, parece garantido que será apenas a ‘ponta do iceberg’. O bloqueio de hashtags irá conseguir abrandar a velocidade a que este tipo de informação é partilhado. Mas, não será suficiente para exterminar estas propagandas o Instagram.

Durante este grande crescimento dos movimentos antivacinas, foram muitas as contas criadas com o intuito de espalhar estes conteúdos. Por isso, parece muito provável que a próxima ação nesta batalha do Instagram será começar a eliminar os milhares de contas criadas. Especialmente porque essa será a única solução para evitar que continuem a espalhar a sua mensagem para os milhares de seguidores.

É importante realçar que estas informações não foram confirmadas pela empresa, não passando ainda de pura especulação.
(4gnews)

Desenvolvido por: Suporte Informatica